12 de Setembro de 2007

Quadro Pais e Filhos aborda educação e TDAH

da Redaçao Rádio Difusora

No quadro Pais e Filhos desta quarta-feira no Programa Marcia Gianazi foi entrevistada a Professora Josimeire Haddad do curso de Pedagogia da Unip. A Importância dos pais na educação dos filhos e o TDAH - Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade foram os temas levantados durante o bate-papo.

A sociedade moderna vive uma crise de valores éticos e morais sem precedentes. Essa é uma constatação que nada tem de original, pois todos a estão percebendo e vivenciando de alguma maneira. O fato de ser uma professora a fazer essa constatação também não é nenhuma surpresa, pois é na escola que essa crise acaba, muitas vezes, ficando em maior evidência.

Nunca na escola se discutiu tanto quanto hoje assuntos como falta de limites, desrespeito na sala de aula e desmotivação dos alunos. Nunca se observou tantos professores cansados, estressados e, muitas vezes, doentes física e mentalmente. Nunca os sentimentos de impotência e frustração estiveram tão marcantemente presentes na vida escolar.

TDAH - Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade
As crianças portadoras do TDAH não conseguem, sozinhas, selecionar estímulos nem manter ou mudar o foco da atenção. Muitas vezes, por falta de informação, elas são vistas simplesmente como mal-educadas ou sem limites no meio social.
O transtorno do déficit de atenção e hiperatividade, conhecido como TDAH, é uma síndrome que, quando diagnosticada cedo e tratada corretamente por profissionais, pode fazer parte da vida da criança sem causar sérios problemas em seu dia-a-dia. É possível aprender a conviver bem com o transtorno.
Sua causa ainda não está perfeitamente definida, mas já se sabe que diz respeito a três aspectos: o biológico, o psicológico e o social. Seus sintomas acabam fazendo com que o portador aja de forma diferente do padrão e, em alguns casos, implica também em problemas psicológicos que podem agravar o caso.
As crianças com a síndrome têm muito problema em casa e na escola, muitas vezes são confundidas com crianças mal-educadas e sem limites. Antes que um diagnóstico seja feito, as crianças sofrem com o preconceito dos seus educadores e, por não receber o tratamento adequado, podem ter seu desenvolvimento intelectual e social retardado.




<< Voltar >>