Concursos

 


 

Polícia Militar - SP abre vagas para 2º Tenente Médico PM

A Polícia Militar do Estado de São Paulo (PM - SP), por meio da Diretoria de Pessoal, informa que estão abertas as inscrições para o concurso público que objetiva ocupar 74 vagas no cargo de 2º Tenente Médico PM Estagiário, do quadro de Oficiais da Saúde. O valor da remuneração básica inicial é de R$ 6.458,57 e as oportunidades são tanto para sexo feminino quanto masculino.

As vagas são voltadas para Médicos nas seguintes especialidades: Anestesiologia; Cancerologia Oncologia Clínica; Cardiologia; Cirurgia da Mão; Cirurgia de Cabeça e Pescoço; Cirurgia Geral; Cirurgia Plástica; Cirurgia Torácica; Cirurgia Vascular; Clínica Médica; Dermatologia; Endocrinologia e Metabologia; Endoscopia; Gastroenterologia; Ginecologia e Obstetrícia; Hematologia e Hemoterapia; Infectologia; Medicina Física e Reabilitação; Medicina Intensiva; Nefrologia; Neurocirurgia; Neurologia; Oftalmologia; Ortopedia e Traumatologia; Otorrinolaringologia; Pneumologia; Psiquiatria; Radiologia e Diagnóstico por Imagem. Reumatologia e Urologia.

As inscrições ficarão abertas de 4 de abril a 8 de maio de 2017, pelo site da VUNESP (www.vunesp.com.br), que é da banca organizadora do concurso. A taxa de inscrição é de R$ 200,00.

Os inscritos serão avaliados pelas seguintes etapas: prova objetiva, prova dissertativa (11 de junho de 2017), exames de aptidão física, exames psicológicos, conduta social e análise de documentos. As avaliações podem ser feitas em dos municípios de opção do candidato, que poderá ser: Araçatuba, Bauru, Campinas, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Santos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo e Sorocaba.

O estágio probatório tem início com o exercício do cargo terá duração de um ano, enquanto que a validade do concurso será de dois anos, podendo ser prorrogada. Além das vagas diretamente oferecidas, o concurso prevê a reposição das vacâncias que ocorrerem ao longo de sua validade.

O edital encontra-se na página de concursos públicos do Estado de São Paulo, acessível pelo link:

http://www.concursopublico.sp.gov.br/PortalConcurso/noauth/PortalDeConcursos.do?acao=proximoConcurso


Saiba como fazer e quando usar uma carta de apresentação no currículo

O uso da carta de apresentação ainda é dúvida de muitos profissionais. Afinal, ela ajuda ou atrapalha?

Marcelo Abrileri, presidente da Curriculum, considera que em muitas ocasiões ela pode ser útil, mas com o objetivo de orientar o recrutador que vai olhar o currículo e não para resumir os dados profissionais que já estão nele.

"Se bem feita e alinhada com o objetivo profissional e o currículo, ela serve como um rápido aquecimento, despertando o interesse do selecionador. Ela não deve ser um minicurrículo, mas um complemento do currículo", afirma o especialista.

A carta de apresentação permite que o profissional destaque seus objetivos, alguns de seus valores, qualidades, sua admiração pela empresa, interesse e motivação, além de expor alguns de seus pontos fortes como candidato. Mas é muito importante que seja objetiva, sucinta, coerente e impecável na ortografia.

Enquanto o conteúdo do currículo como um todo tem como objetivo conquistar uma entrevista presencial, a carta de apresentação serve para introduzir e convidar à leitura do currículo, ao mesmo tempo em que informa um pouco mais sobre o profissional. "Esse é o objetivo principal dela", destaca Marcelo.

Veja exemplo de uma carta de apresentação

Para Francine Zachi, consultora de recursos humanos da Luandre, um texto de introdução bem elaborado e objetivo pode fazer a diferença, pois serve para instigar o contratante a querer saber mais sobre você e ajudar a garantir a vaga desejada.

"A carta de apresentação deve ser dirigida a alguém em particular. O candidato deve tentar descobrir o nome da pessoa com poder para contratar. Se não for possível, poderá endereçar a carta ao departamento de recursos humanos", diz a consultora.

O candidato deve elaborar uma carta breve - no próprio corpo do currículo ou em uma folha anexa - sem reproduzir a informação contida no currículo. A carta será o veículo usado para ressaltar as qualidades que o candidato possui para exercer o cargo em questão.

"Erros de gramática e acentuação são imperdoáveis. Se estiver com dúvidas, consulte um dicionário ou tente encontrar ajuda em sites especializados. Utilize uma linguagem formal, mas sem ser muito exagerado (evite palavras como Exmo. Senhor)", completa Francine.

DICAS


1 - Considere a carta de apresentação como uma carta profissional;
2 - Nunca ocupe mais de uma página para escrever a carta de apresentação;
3 - Use papel de qualidade e de cor clara;
4 - Faça uma breve explicação do que você oferece e quer. Essas informações devem estar de acordo com o que a empresa procura;
5 - Tire do seu currículo apenas os aspectos importantes para a posição (competências, aptidões, resultados alcançados);
6 - Use a carta de apresentação para convencer/persuadir o selecionador de que você é o candidato mais adequado para a posição.
7 - Mostre entusiasmo e interesse pela empresa;
8 - Se não tiver a experiência ou a formação exigida, não mencione. Escreva antes sobre a sua capacidade de aprender depressa


Conheça as dez mentiras mais utilizadas pelos candidatos no currículo

No momento de elaborar um currículo, além de organizar as informações de forma correta, é importante que o candidato seja honesto para que o selecionador identifique os seus verdadeiros pontos fortes e fracos. Caso contrário, durante uma entrevista, o candidato pode até parecer excelente para preencher a vaga em aberto, mas na prática se mostrará inadequado.

Lista com as dez mentiras mais utilizadas pelos candidatos no momento de elaborar um currículo. Veja:

1 - Idioma
É aqui que aquele inglês do verbo to be - aprendido na escola durante o ensino médio - se torna intermediário ou aquele estudado por alguns meses em uma escola de idiomas vira um inglês avançado. O risco de mentir sobre o idioma é o de o candidato ficar em uma situação constrangedora, caso o selecionador decida conduzir a entrevista em inglês.

2 - Formação acadêmica
Ao citar que possui curso superior incompleto deve-se deixar claro se está cursando ou se foi trancado, pois a mentira não poderá ser mantida por muito tempo caso o selecionador exija um comprovante da universidade. Vale ressaltar que cursos de pequena duração e profissionalizantes não devem ser considerados MBA.

3 - Idade
Esta é uma questão que causa muita insegurança. Apesar de muitas empresas não fazerem restrições com relação a isso, muitos candidatos com medo de serem reprovados omitem a idade. "Presenciei casos de candidatos que mentiram a idade no currículo e na entrevista mencionaram uma idade diferente. Resultado: foram excluídos do processo seletivo não pela idade que tinham, mas pela mentira que contaram", conta Walquiria.